SECRETARIA DE ESTADO
DA JUSTIÇA E DE DEFESA
AO CONSUMIDOR

Internas que trabalham na SEJUC têm bom relacionamento com servidores
10/06/2005
Após duas semanas trabalhando na Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania, as seis internas do Presídio Feminino recrutadas pelo secretário Emanuel Cacho, com o aval do juiz Diógenes Barreto, fizeram um balanço desta nova fase em suas vidas. O convívio com os servidores da Secretaria, o treinamento profissional que estão recebendo e a esperança de irem para suas casas, ao menos aos finais de semana, são pontos destacados pelas meninas. As seis internas conseguiram o benefício de sair do presídio para trabalhar desde o dia 16 de maio, através do Projeto “Caminhando para a Liberdade”. Elas chegam à Secretaria às 7 horas da manhã e retornam às 18 horas para dormiram no presídio. Pela manhã são distribuídas pelos setores para auxiliar nas funções administrativas e à tarde recebem treinamento profissional. Segundo Joyce Nascimento, ela e as demais internas estão tendo uma oportunidade única na vida. Joyce acredita que através do trabalho elas conseguem provar à sociedade que estão arrependidas do erro que cometeram, e estão prontas para ganhar a liberdade e não cometerem mais nenhum delito. “Estou gostando de trabalhar na Secretaria. Todos os servidores me tratam bem. Só tenho a agradecer a todos, principalmente ao secretário Emanuel Cacho e ao juiz Diógenes”, diz. As aulas de informática, ministradas pelo técnico em informática e servidor da Sejuc, Eden da Silva Santos, também foram destacadas por Joyce Nascimento. “Não estou apenas ensinando: estou aprendendo com cada uma delas”, diz o professor. Joyce lembra que, através da informática, está também aumentando os seus conhecimentos, algo importante para o regresso à sociedade. “Estou adquirindo mais conhecimento para ter um futuro melhor. E tenho certeza que as pessoas perceberão que quem erra pode, e deve, um dia mudar a vida, assim como mudei a minha”, ensina. “Espero conseguir também uma chance para provar que posso ir para minha casa e nunca mais errar.” Para Edna Sampaio trabalhar na Secretaria de Justiça é motivo de satisfação. Ela destaca o tratamento recebido pelos servidores da Secretaria e diz que a prisão e, agora, o trabalhando lhe fez pensar na vida e chegar a uma importante conclusão: “Hoje, eu sei que jamais erramos, trabalhando honestamente”, diz Edna, que gostaria de ir para sua casa, ao menos nos finais de semana. Segundo Edna Sampaio, tanto o secretário Emanuel Cacho quanto o juiz Diógenes Barreto são responsáveis pela realização de um sonho. “Sempre sonhei sair da cadeia e trabalhar honestamente um dia. Agradeço a Deus e ao doutor Emanuel Cacho e a doutor Diógenes”, diz prometendo uma nova vida. “Quero trabalhar e criar meus filhos.” A interna Edjane Barreto atribui a chance a “uma obra de Deus”. Ela ratifica o bom tratamento dos servidores. E diz que pretende aprender cada vez mais. “Já me sinto confiante neste final de reta e começo da chegada. É uma nova vida. Amei esta oportunidade do doutor Emanuel Cacho e do doutor Diógenes Barreto. Parabéns para os fundadores deste projeto “ Caminhando para a Liberdade ”, porque liberdade é a palavra-chave”, diz Edjane. Para Álida Carla dos Santos o trabalho é gratificante à medida que recebe um tratamento carinhoso dos servidores. Ela é outra interna a ressaltar que não havia tido uma chance de mostrar sua recuperação, e está satisfeita com isso. “Estes 15 dias que estou trabalhando na Secretaria de Justiça têm me deixado muito feliz. O professor de informática, Eden, é muito legal e paciente. O secretário Emanuel Cacho sempre está fazendo reuniões com a gente. É uma pessoa simples. Atencioso com todos”, destaca Álida Carla. A idéia do secretário Emanuel Cacho, em sintonia com o juiz da Vara de Execuções Penais, Diógenes Barreto, é oferecer oportunidade a pessoas que cometeram algum delito, mas que já estejam provando, através do bom comportamento, que estão recuperadas para retornar à sociedade. O secretário Emanuel Cacho, que pretende estender o benefício a outros internos, está satisfeito com o comportamento das meninas. Para ele, a motivação com que elas estão abraçando a oportunidade prova que muitos internos já estão recuperados, e só precisam de uma chance no mercado de trabalho. “Elas estão sendo treinadas por servidores nosso para desempenhar funções administrativas. Estão dando certo aqui na Secretaria de Justiça. É pensamento nosso distribuí-las por outros órgãos do Estado também”, explica Emanuel Cacho. Apesar de todo o esforço do secretário Emanuel Cacho para ver o êxito do projeto, ele tem consciência de que isso não depende exclusivamente do Governo de Sergipe. “Estamos fazendo nossa parte, com o apóio da Justiça e do Ministério Público. Mas é preciso que a sociedade, sobretudo os empresários, façam também. Temos hoje mais de 300 presos em condições de trabalhar no sistema. Vamos continuar com essa política de inclusão social cada vez mais aumentando o número de internos que trabalham”, diz Cacho.